quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Ostentação vale a pena para um pobre-diabo?



Eu, como um ser altamente introvertido, nunca gostei de exposição. Devido a isto nunca senti vontade alguma de ser o centro das atenções em grupos, de tirar fotos e postar em redes sociais etc. Desta forma, nunca sofri com o fato de ver pessoas ostentando e eu não. Na verdade, sempre achei ridículo, pois a maioria das pessoas que fazem isso são pessoas carentes e não têm noção do ridículo que fazem. É claro que se é um Floyd Mayweather ostentando, obviamente, que não é ridículo e é algo que causa inveja em qualquer homem na face da terra, pois ele é rico e poderoso, ou seja, ele pode. Agora, quando são esses otários, esses cu arregaçado, que torram tudo o que tem para parecer que têm o mínimo necessário para ser da classe alta, esses eu tenho vontade de pegar uma havaianas tamanho 46 e encher a cara deles de chinelada, depois pegar um cabo de enxada e dar no lombo desses babacas.

O que vejo de Zé buceta, com carro usado, parcelado em 60 vezes, que leva a maior parte do salário do miserável, postando postos panorâmicas, mostrando as rodonas de "sua máquina". Não bastando isso, o filho de uma cadela sarnenta faz um bate e volta para uma cidade litorânea badalada, onde aglomeram alguns ricos e uma cambada de pobres metidos a ricos, marca o local, tira uma foto na praia e posta: “existe vida mais barata, mas não presta não”. Ainda, para mostrar que é o foda, o desgraçado fica postando foto de baldinho com Ciroc, Chandon e energéticos, tudo extremamente superfaturado, em camarote de baladas chiques, tendo dividido a conta entre dez cabeças e mesmo assim tendo que jogar no crédito, pois a grana do mês já se foi. Eu me pergunto será que eu sou realmente um pobre-diabo lazarento de pobre?

Eu tenho uma renda mensal razoavelmente boa e quando digo razoavelmente não quer dizer que sou rico e posso sair por aí esbanjando, mas que eu tenho condições de viver minimamente confortável e ainda sobra uma quantia para investir. Só de pensar no estilo de vida que esses estrumes levam já me dá calafrios, jamais que eu gastaria tudo isso, nunca que eu jogaria o meu suado dinheiro assim no ralo, só para fazer um social, ter uma meia dúzia de amigos que pagam pau e talvez uma pequena notoriedade com as mulheres, mas tão pequena que não aliviaria muito o fato de eu ser um beta B escroto e continuaria sendo um animal fedido para elas. Na realidade, o problema dessas pessoas é que elas são viciadas em ostentar, em ser o centro das atenções, em demonstrar poder, ao mesmo tempo que não pensam no futuro como um pobre-diabo igual a mim, vivendo como se tudo fosse para sempre.

Betinha C ostentando

O problema disso tudo é que você no meio deste tipo de gente é um ser desprezível, tão pobre quanto um catador de papel e latinha. As mulheres são altamente visuais e tiram suas conclusões com o que veem, assim quando olham um quebrado que vive ostentando, já acham que ele é poderoso e você, que tem um bom montante guardado e que vive uma vida simples para guardar mais, é um miserável indigno de sequer conversar com elas. Esse paradoxo me tormenta e irrita muito! Às vezes eu tento imaginar como eu seria e como seria minha vida caso eu ostentasse. Será que minha vida seria mais agitada e mais feliz? Será que eu teria novas emoções e não teria dias depressivos como tenho as vezes? Será que me sentiria menos bosta e mais homem? A resposta é não.

Imagine se eu fosse toda sexta e sábado para baladas caras. Iria me arrumar todo e toda vez que eu fosse me olhar no espelho ficaria com vontade de socar a minha cara para ver se endireitava, ou seja, já iria sabendo que não chamaria atenção de ninguém. Lá eu teria que pegar um camarote e, consequentemente, bebidas caras para acompanhar. Como não tenho muitos amigos, racharia a conta com poucas pessoas. Ok, estou em um camarote e com bebidas caras. E agora? Mesmo com várias recusas, talvez até conseguiria levar umas interesseiras para o camarote, todas de nível baixo, é claro. Elas tomariam a minha bebida, levariam algum copo da minha Ciroc para algum alfa da pista e depois que acabasse tudo elas me largariam lá sozinho. No final, sobraria uma baita conta para eu pagar, ou seja, nenhum benefício. E se eu pegasse uma mulher lá dentro? Com certeza seria feia e ela não iria me dar.

Agora imagine que eu quisesse sair viajando por aí para ostentar. Poderiam ser praias famosas, países da Europa, Estados Unidos etc. Eu visitaria lugares legais, postaria as fotos (sozinho igual um altista) e teria no máximo umas 7 curtidas. Além de ser uma merda para mim, porque odeio viajar, gastaria uma grana enorme com isso, não me divertiria e ninguém iria ligar para essa merda de viagem. Ou seja, não chamaria a atenção de ninguém (lembrando que eu não ligo para isso) e não me traria bem-estar algum. Eu estaria em um lugar diferente e pensaria: “ok, e agora? Nada de diferente, a mesma bosta como qualquer outro lugar. Poderia ter gasto esse dinheiro com coisas mais prazerosas”.

E se eu tivesse um carro esportivo poderoso? Sou um beta B e é claro que o carro talvez impusesse um pouco de respeito onde passasse, pois as pessoas respeitam mais quem demonstra ganhar mais, porém isso seria apenas um atendimento um pouco melhor, nada mais. Mulheres? Na verdade, no meu caso não faria muita diferença, pois eu não frequento lugares sociais, portanto, não sou visto e mesmo que fosse qual diferença faria? Elas olhariam e pensariam: “nossa, que carro bonito” e ponto final. E se me vissem saindo do carro? Elas pensariam: “puta que pariu, que cara tosco. Se ele chegar em mim eu até posso conversar com ele, mas ele vai ter que me pagar drinks caros e tem que valer muito a pena para eu gastar saliva com esse cocozão”. O que quero dizer é que se você não estiver dentro de algum grupo que você possa demonstrar poder, você não fara diferença nenhuma, ainda mais sendo um desgraçado de um pobre-diabo beta B. Se estiver em um grupo, até pode ostentar, mas os frutos disso serão mínimos, pois você é um beta. Não é o carro que vai atrair alguma coisa, mas é tudo o que tem por trás, ou seja, vida badalada, demonstrações de poder, sociabilidade, disposição em torrar dinheiro com vadias etc.

Um beta tentando ostentar pareceria tão tosco quanto

Com essas reflexões fica nítido que eu não sinto falta e nem vontade de ostentar. A única coisa que sinto é vontade de espancar esses otários e depois surrar eles com cinta de couro; odeio gente se pagando de foda, rico e poderoso. Aprendi a aceitar a minha condição de amaldiçoado pelo destino, maldição esta que impregnou em mim toda a feiura e fracasso de um beta. O lado bom de eu ser introvertido é que não sinto falta de ostentar, prefiro ficar no meu canto sossegado. Importante salientar que a maioria dos betas se tivesse o mínimo de dinheiro para tal e um círculo razoável de amizade começaria a ostentar igual idiota, pois são carentes e necessitam ser aceitos. Estes caem facinho em armadinhas de “amigos” e mulheres, tirando tudo o que querem desses otários.

É válido acrescentar, também, que muitos betas endeusam mulheres e sonham em namorar uma modelo novinha, loira e gostosa, esquecendo que são betas asquerosos e que para compensar a altíssima barganha natural delas, devido à beleza, terá que ter uma barganha financeira poderosíssima, tendo que pagar contas caras, viagens tops, jantares chiques, aguentar humilhações e falta de sexo, pois uma gostosa não vai dar por prazer para um beta lixo, apenas dará um sexo bosta e super regulado cada vez que ele fizer suas vontades e gastar muita grana. Este tipo de mulher não deixa de ser uma ostentação para o homem, o qual a mostrará aos outros, porém não fará um uso satisfatórios do produto, lembrando que como qualquer ostentação, custa caro, um preço elevado demais, do qual não estou disposto pagar. Nisso levo vantagem também, pois não sinto necessidade de exibir mulher para ninguém, só penso em sexo.

Essas são as gatas que vão se atrair pelo beta caso ele saia por aí ostentando. Nada de Juju Salimeni, Aline Riscado, Carol Dias, Marina Ruy Barbosa... Isso é ilusão, seus animais!

A conclusão que eu tiro de tudo isso é que eu fico muito mais feliz vendo meu dinheiro crescendo na conta a ostentar. Ver meu dinheiro sendo usado de uma forma banal me causa terror, por isso eu procuro sempre empregá-lo da melhor forma possível. Ainda, a sensação de poder comprar as coisas e nem coçar o bolso é boa demais. Viver na pendura para mostrar uma vida que não existe não é para mim. A liberdade de ter dinheiro e poder gastar sem se preocupar me fascina e, de certa forma, tirando a questão social, a maioria das necessidades podem ser supridas com dinheiro. Não quero exposição. Não quero exibição. Quero apenas dinheiro, liberdade e tranquilidade!


Abraço do Pobre-diabo!
 

sábado, 14 de janeiro de 2017

Um pobre-diabo deve ter carro?


Estava passando por uma praça aqui perto de casa e ela estava cheia de jovens, semialfas malandrões de óculos e meninas de shortinho rebolando ao som de Funk, vindo dos carros deles, e tomando cerveja. Até um programa tosco desse, de parar um carro velho e endividado numa praça, com som alto faz esses lazarentos se divertirem. E se não tivessem carro? Tenho certeza que não haveria nenhuma mulher ali. Passei a pensar nesse assunto para postar aqui. 

Muito se fala e recomenda, a fim de juntar dinheiro e conquistar a independência financeira, em economizar o máximo possível, abstraindo-se de coisas supérfluas, comprando coisas necessárias da marca mais barata e vivendo em frugalidade, com o intuito de se conquistar uma vida boa no futuro. Alguns exploradores, travestidos de especialistas em finanças, orientam, por exemplo, que uma pessoa deixe de tomar um cafezinho expresso todo dia, pois 30 anos depois esse gasto poderia ser milhares de reais a mais na conta, caso tivesse sido poupado.

Este Pobre-diabo já teve uma fase de loucuras, em que guardava absolutamente tudo que podia, vivendo uma vida de mendigo.  O que eu digo é que isso é burrice. Não faz sentido você abrir mão de pequenos prazeres que farão um bem enorme para o seu corpo e o seu psicólogico em troca de um futuro incerto. Se você estivesse poupando mil reais por dia, tudo bem, mas poupar 1 real, que você poderia tomar um café que faria um bem para a sua mente já no início da tortura do trabalho? Isso é idiotice. A corrente de pensamento diabístico de vida prega que o beta deve sempre se desenvolver em todos os aspectos de sua vida, em especial o financeiro. Entretanto, por ser o beta um ser fraco de psicológico, necessita dar uma atenção especial ao seu bem estar. 

É só você fazer as contas, se você não guardar uns milhares de reais por mês você não terá sua independência financeira. É claro que é importante poupar e todo valor guardado será necessário para alguma coisa mais tarde, mas pensar que você será rico guardando R$500,00 por mês é ridículo. O que eu oriento aos betas é sempre se aperfeiçoar, fazer cursos para melhorar o currículo, melhorar o traquejo social para se dar bem no trabalho etc. Guardar é importante, mas algumas coisas são necessárias para o nosso bem-estar. Fazer musculação, comer bem e ter algum dinheiro para comprar coisas que você tem vontade, por exemplo, são coisas que fazem muito bem para a nossa mente betística doente e ajuda a evitar depressões.

Todas essas coisas e outras são importantes para o nosso bem estar e não precisa ser nada caro, mas algo que nos faça sentir bem. Lembrando que sempre deve cumprir uma meta mensal de poupar uma quantidade X para o futuro, não precisando necessariamente poupar X + j + ç (sendo j=cafézinho e ç=uma saída para transar). Agora, algo que se tornou fundamental para minha vida e que eu vejo que sem isso eu teria crises de depressão é o CARRO.


Nunca fui um aficionado por carros a ponto de  sonhar em ter Defenders, Mustangs, Mercedes e BMWs, até porque além de pessimista e sempre me achar um bosta eu sempre fui simples e abominava demonstrações de status. Tenho um carro medianamente bom, mas o que quero dizer é que o carro, por mais esterco de vaca que ele seja, te dá mais conforto, dá a liberdade de ir para qualquer lugar, a hora que quiser, seja longe, esteja chovendo ou frio, evita de as mulheres te achar um fracassado (homem sem carro é um perdedor para elas), dá mais poder e chances de você transar, não precisa pedir favores para ninguém quando precisa ir à algum lugar ou carregar coisas pesadas, pode servir de motel etc. O que mais importa para mim é a sensação de liberdade, conforto e me sentir menos fracassado na vida.

Não estou falando aqui em comprar carros de playboy, meter um sonzão, rebaixar e sair por aí achando que está "azarando" a mulherada, porque isso é ridículo e seria ainda mais sendo feito por um Beta, com a sua típica cara de cu cagando, perdedor e retardado. Apenas digo que o carro garante um bem estar muito grande para você. Se for comprar não se meta em dívidas grandes e financiamento que te espancam nos juros, compre algo que não irá te prejudicar financeiramente. As vezes você até consegue pegar umas safadas por aí, por ironia do destino, por causa do seu carro. Eu tenho uma coisa comigo, dando para transar com a mulher no carro e economizar motel eu faço isso. Sempre tento comer elas no carro, dizendo ser uma tara minha. 

Outro ponto importantíssimo a se considerar são os gastos. Seguro, IPVA, Manutenção, depreciação e gasolina. É óbvio que você irá conseguir guardar bem mais dinheiro se você andar a pé. Bem mais, dependendo do carro que escolheu. Entretanto, eu acredito que não devemos nos privar totalmente das coisas boas da vida, pois o futuro é incerto e tenho certeza que uma economia, em média, de R$500,00 por mês não te fará rico a ponto de ser um sultão poderoso,  com um harém de ninfetas gostosas, mansão com piscina e 3 carros importados na garagem no futuro. Esse dinheiro gasto dará mais confiança, bem estar, conforto e elevará a sua autoestima, o que para nós betas (no meu caso Beta B, conforme o teste de classificação de personalidade alfa-betistica do Pobre-diabo) é algo importantíssimo, pois tendemos a ser tristes, pessimistas e depressivos.


É óbvio que eu não sou um comedor de muitas mulheres, e isso é altamente comprovado quando se olha para minha cara de beta fracassado, mas tenho quase 30 anos e já tive várias experiências válidas na vida. Minha prima disse que eu só peguei a Mia porque eu tinha carro e morava sozinho, porque senão ela jamais olharia para a minha cara de bostão (leia a história da Mia em:  https://pobre-diabo.blogspot.com.br/2017/01/um-pobre-diabo-apaixonado.html?showComment=1483809247496&m=1). Deixo claro aqui que o que me deixou mais triste não foi ela me largar ou eu gostar dela e sim a sensação de rejeição por ser um tosco de um beta B.

E olha que eu tentei comer a Mia no carro também, pena que sou um beta B escroto e deixei a vagina dela extremamente seca a ponto de rachar a pele envolta dela. Acredito que nesse momento a Mia deve estar fazendo um oral para o alfa dela, na sala da casa dele, enquanto ele assiste a um filme na TV. Ela vai chupar o pau dele até ele gozar na boca dela, porque a vagina e o ânus dela estão assados de tanto que eles transaram de noite e ela quer guardá-los para hoje de noite em mais um sexo animal. Para não ficar atrás, também irei transar. Vou usar a minha imaginação, fazer sexo com as minhas mãos, depois as lavar e dormir. Essa é a vida do Beta B.

Enfim, para mim não tem como ser feliz sem ter carro. As humilhações são duras para quem não tem. Além de falta de conforto e limitações, toda sua família, amigos, conhecidos e mulheres em geral irão olhar para você como tivessem olhando para um mendigo fedido, escorrendo bosta pelas suas pernas, uma mistura de pena com repulsa. Lembre-se, para elas, homem sem carro não é homem!


Abraço do pobre-diabo! 

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Um pobre-diabo na confraternização do trabalho


Antes de tudo gostaria de esclarecer que ando muito atarefado e foi difícil fazer esse post, escrevi ele bem rápido pela minha falta de tempo ontem de noite, porém acabei dormindo e estou postando agora, antes de ir para a tortura, digo, trabalho. Vou contar uma experiência que eu passei anteontem de noite. O pessoal do trabalho marcou um happy hour depois do expediente, daqueles que você é convidado, mas não deixa de ser uma espécie de obrigação, pois se você não for todo mundo vai sair falando mal, que você não tem espírito de corpo, que é arrogante, que não pensa na empresa etc. Foi em um restaurente de um nível de médio para alto, desses que eu não frequento normalmente, pois tudo é caro e é cheio de frescura de gourmetização que me irrita muito. Jogam umas folhinhas e um molho diferente em cima de algo, dão um nome este estrangeiro e cobram 300% a mais no valor.

Pois bem, reservaram uma mesa grande para toda a equipe, cerca de 8 pessoas, mais acompanhantes (eu fui sozinho como era de se esperar). Logo de cara o pessoal já foi pegando a carta de vinho. Como são metidos a ser bon vivant da alta sociedade, entendedores de vinho(quando na verdade são uns endividados de merda, escravos das esposinhas), começaram a falar aqueles nomes estrangeiros e destacar o tipo de uva, a safra, a textura e essas merdas todas que eu não entendo, todos querendo se mostrar sofisticados e se exibir para suas esposinhas como homens de sucesso. O pobre-diabo aqui não sabia o que falar, pois só tomo cerveja barata e não gosto de vinho.

Um deles perguntou o que eu beberia, já estava convencido em pegar cerveja, mas na hora travei, fiquei com medo de ser mal visto e parecer um abobado miserável perdedor e disse q eu iria tomar vinho também. Sugeriu que pegassemos uma garrafa nós dois, perguntou qual eu preferia e deu três nomes, que eu não lembro. Falei um dos nomes sem pensar, para mostrar que eu entendia e não parecer um coitado, e depois disfarçadamente fui olhar o cardápio. Tomei um susto, a garrafa era 280 reais! Mas não quis voltar atrás para não ficar feio. Tomamos aquele vinho e eu achei ruim demais. Para mim, uma cerveja de 3 reais a lata já estava suficiente. Depois pediram comida japonesa, que custa o olho da cara e eu odeio também. Comi só para não parecer o diferentão. Eu tentava participar das conversas, mas era nítido que eles só queriam se mostrar, falando de viagens internacionais, carros, relógios, joias para a esposa, enquanto eu não tinha nada para contar.

Não queria que eles me olhassem desse jeito

Por um certo ponto eu me senti um fracassado por não estar dentro desse meio sofisticado e me achar um pobre, mas por outro lado eu me senti livre. Todas essas coisas estão cada vez mais virando fúteis para mim. Faço os cálculos sobre esses gastos e para mim compensa muito mais eu guardar esse dinheiro e fazer ele crescer do que jogar no ralo com uma vida de alto nível apenas para agradar a esposa e mostrar para os outros que você tem uma vida de sucesso. Pode ser um certo tipo de mecanismo mental que faz eu pensar assim como uma espécie de conformismo para a minha vida? Pode até ser, mas prefiro assim. Pensem: qual a diferença na minha vida se eu fizesse essas coisas? Estaria sendo o mesmo Beta B zoado, só que com menos dinheiro. Eu penso lá na frente. O paradoxo é que quanto mais eles gastam, mais ricos todos acham que eles são, enquanto o beta que só guarda e tem mais dinheiro que eles é visto com um fracassado perdedor.

O legal disso tudo foi que dessa vez eu não me senti tão inferiorizado. Acho q o vinho ajudou eu a refletir mais sobre minha vida. Observava eles falando de suas vidas "perfeitas", suas viagens maravilhosas, e aquilo parecia que não fazia sentido algum para mim. Minha vontade era sair de lá o quanto antes, pois são pessoas que nada agregam para a minha vida, são esbanjadores natos. A maioria dos homens são tão inteligentes profissionalmente e intelectualmente, mas na vida sentimental são completos retardados, que levam aquela vida de luxo para agradar suas esposas feias. Nada fazia sentido ali. Quando chegou a hora de ir embora, fiquei feliz, entretanto por pouco tempo, pois quando fui ver a conta tomei outro susto: R$300,00. Comi mal, tomei uma coisa que não gosto, fiquei junto de pessoas que não tenho afinidade e não transei para gastar tudo isso! Ainda mais essa vida não faz sentido para mim!

Preferia mil vezes estar no meu quarto conectado à internet, lendo coisas interessantes e tomando cerveja sozinho, a estar no meio de pessoas que fazem de tudo para impor o seu status social, camuflado por uma vida de dívidas e tristeza por ter esposas que requerem tanto gasto e pouco retorno. Esse é o mal - ou o bem - de ser um beta B introvertido.


Abraço do Pobre-diabo


ATENÇÃO:

Para quem está acompanhando o blog, estão novamente atacando aqui. Vários anons comentaram que andam utilizando o nome do Pobre-diabo para cometer ameaças e publicar coisas erradas. O que tenho a dizer é que não me responsabilizo por nada disso, pois não fiz nada para ninguém. Desde que abri o blog tenho recebido ataques gratuitos. Não fiz absolutamente nada de errado e de tudo o que eu escrevo nada há de ilegal. Não sei o porquê disso, mas aqui no blog estavam postando textos terroristas e criminosos, os quais eu sempre apaguei, e agora novamente estão me atacando, dessa vez com essas coisas que uns anons falaram no último post. 


Tudo isso é muito chato, pois eu criei o blog para interagir  com os betas, a fim de que todos tenham espaço aqui. O blog acabou crescendo muito, tendo muitos views e comentários, a ponto de ser difícil para mim acompanhar tudo e ainda produzir dois posts por semana. Seria fácil se houvesse mais administradores do blog. Enfim, esclareço aqui que eu comento apenas aqui no blog e com o perfil do Blogger, não frequento fóruns e chans. Qualquer coisa diferente disso é fake. Esses ataques são infantis e chatos, confesso que isso desanima. A pedido de alguém, só essa semana eu li quase 7 mil comentários, apagando os que fizessem referência ao que foi pedido, o que deu um trabalho enorme. Enfim, todos já sabem o que houve e já está explicado.  Quem puder dar uma força explicando o que está acontecendo será muito bom para o blog. Enfim, isso está encerrado. 



OBS: votem se é necessária a moderação. 



sábado, 7 de janeiro de 2017

Um pobre-diabo se fosse casado


 
Já estava com as ideias deste post na cabeça, então escrevi hoje mesmo bem rápido. Este início de ano tem sido bem corrido, inclusive trabalhei até agora há pouco e estou destruído, cansado demais. Resolvi postar mais tarde porque eu não tive muito tempo e para deixar mais um tempo para o pessoal comentar e debater no post passado, visto que o postei super tarde. Ainda estou com a cabeça na situação da Mia, que é a garota que me largou e me descartou como eu falei no post passado. Como já havia falado, não é especificamente nela que se concentra a minha tristeza e sim nesse meu destino maldito de ser um beta asqueroso. Passei então a imaginar a minha vida se eu fosse casado.

Pois bem, a betagem aqui do blog falou sobre a Mia, vários me chamaram de mangina etc, entretanto, agi como qualquer pessoa agiria: conversamos, saímos, trocamos carícias (ela sem empolgação) ... O que pesou mesmo é que ela, por ser loira e magra, tem muito mais barganha que eu, que sou um beta B, tosco e que tive só papo bobo e lixo com ela. Não demonstrei algo a mais que chamasse a atenção. Não adianta, temos que aceitar que esses seres diabólicos só olham coisas que você pode oferecer e tem nojo e grande repulsa de betas que demonstram fraqueza. Resultado disso foi ela voltar par o ex namorado dela. Fui até dar uma conferida nesse namorado dela nas redes sociais e vi que o cara é boa pinta, ostenta, tem fotos cheio de amigos, é engraçado etc. Isso fez eu me sentir mal, reforçando esse sentimento de beta tosco que eu tenho e acentuando ainda mais. Para quem estranhou o nome “Mia”, eu o usei em homenagem a essa atriz (é lógico que a guria que eu fiquei não chega nem perto disso):


A loira da direita é a famosa Mia. Imagine você, sendo uma beta asqueroso com duas dessas? Impossível, não é mesmo? Só tendo muito dinheiro e contratar seus serviços. Se quiser ver mais sobre ela, entre naquele site que começa com a letra "X"...

Agora vamos ao objetivo deste post, que é refletir como seria a minha vida se eu fosse casado. Como sou um beta B, que não tem tanta barganha e não impõe respeito algum, arrumaria uma mulher bem mais ou menos (não adianta se iludir que você irá arrumar um gostosa 15 anos mais jovem, pare de ser burro, já fiz post sobre isso). Como ela trabalharia fora, ela não faria muita coisa dentro de casa e seria capaz de eu ter que ficar fazendo todos os serviços domésticos. Como eu sou um beta que desperta repulsa nas mulheres, tenho certeza que ela me trataria com desdém e com raiva. Se tivesse filhos, teria que fazer tudo para eles e esquecer da minha própria vida. Seria sugado em tudo, dinheiro, energia, social, tempo, menos o meu pinto, pois ela recusaria sexo o tempo todo e só ofereceria quinzenalmente, caso eu fosse um bom menino e fizesse tudo por ela. Segue a história hipotética da vida do pobre-diabo casado (Lembrando que é uma história fantasiosa em que narro a vida de um beta ultra mangina e matrixiano, como a maioria é, usando o meu nome, porém eu jamais faria essas coisas).


A VIDA DO POBRE-DIABO CASADO


São 18:00. Pobre-diabo para o seu carro na frente de casa. Puxa o ar forte e o solta, pensando se o cansaço e estresse do trabalho continuará quando adentrar em casa, afinal, ela está lá. Desce do carro, com um olhar triste e cansado, e vai em direção à porta. -Diabo, você esqueceu de trazer pão e coisas para tomarmos café, está todo mundo com fome aqui. O pobre homem, cansado, apenas se vira e sai em direção à panificadora. Compra não só os pães, mas também queijo, presunto, pão de queijo e bolo, afinal, se não agradar a "patroa" ela vai virar a cara. Já é uma obrigação. -Que demora, hein?? Quer que eu morra de fome? Prepare logo a mesa! Diz o ser demoníaco vindo das trevas para atormentar a vida do triste homem. E assim ele faz, sempre servindo a mulher e os filhos em troca de nada. -Esse pão está mole. -O pão de queijo está duro. -O bolo está ruim. O ouvido deste coitado só escuta reclamações. Ele merece isso?

-Preciso fazer uma faculdade, diabinho. -Preciso fazer cursos, também, para melhorar meu currículo. A mensalidade da faculdade é só R$1.500,00 e o curso custará R$4.000,00. -Não é muito caro? Tem tantos mais barato e com empregabilidade melhor, diz Diabo. -O que??? Você não quer o melhor para sua mulher??? abandonei tudo por você e é isso que eu mereço? Diz sua esposa chorando. -Calma querida, eu pago tudo sim, diz Diabo comovido. Tempo passa, ela se forma, mas prefere continuar em seu empreguinho de salário baixo, o qual é totalmente dela, lembrando que todo o salário do Diabo é dela também. Mesmo tendo enormes dívidas, vindas da enorme festa de casamento e lua de mel no exterior, Diabo faz ainda mais.

Tempo passado de casado, Pobre-Diabo abandona todos os seus hobbies, em especial aquele futebolzinho com os amigos, seguido do churrasco com cerveja. De tanto sua esposa reclamar e negar sexo, Diabo abandona tudo. Começa a ficar estressado e triste, pois não tem mais vida social. Ele ganhou algo com isso? Definitivamente não! Ganhou apenas mais reclamações por parte dela. O coitado do homem vive em função dela e faz tudo para garantir o máximo bem estar de sua família, pois isso é sua obrigação como homem, segundo o que a sociedade diz.

-Diabo, você já está vendo a viagem que faremos esse ano? Parcele pela CVC a partir de janeiro, que daí fica mais fácil pagar. E eu não quero mais fica em hotelzinho que não tenha hidromassagem e café colonial gourmet, isso é o mínimo que eu mereço por ser sua esposa! O Homem, apenas olha para ela e fica com vontade de ser malcriado, mas não, ele não fala nada, pois sabe que quem sairá perdendo é ele, pois faltam apenas 2 dias para completar 15 dias e, portanto, ele ser digno de ganhar um sexo de 20 minutos, sexo esse sem graça e sem direito a empolgação por parte dela, que apenas oferece a sua buceta seca para ele a adentrar. O pobre rapaz, pesquisa, então, vários destinos turísticos caros e apresenta uma espécie de dossiê para sua esposa, para que ela decida. A ele cabe apenas pagar tudo; a ela cabe reclamar, pedir mais e se exibir nas redes sociais, mostrando a vida de rainha que ela tem.

-Diabo, eu não quero mais que nossos filhos estudem no colégio XYZ, pois a formação deles não está sendo boa, mesmo a mensalidade sendo R$1.000,00. Quero que eles estudem no colégio ABC, pois é referência e os filhos das minhas amigas estudam lá. A mensalidade é R$1.500,00, mas vale a pena, pois o ensino é ótimo. Pobre-diabo não fala nada, pois sabe que suas palavras serão em vão. Pensa consigo: -Esses diabinhos só sabem assistir desenho e jogar vídeo game, é nítido que são uns burros que puxaram a mãe. Porra, eu só estudei em colégio estadual e cheguei até aqui, tenho certeza que eles serão uns burros que não passarão nem em Administração na Universidade Federal. Mesmo pensando assim, Diabo faz tudo o que sua mulher manda.

-Diabo, quase não saímos mais. Quero sair duas vezes por semana em bons restaurantes. Acho que um jantar por R$300,00 não mata ninguém. Ele sabe que isso é só para ela se mostrar nas redes sociais, porém, não reclama, não tem mais forças. Apenas a obedece. Quando vão ao restaurante, ele lê o cardápio e quase tem um infarto: comidas com nomes difíceis e preços exorbitante. A esposa, sem consultar ele, apenas faz os pedidos e já pede, também, uma garrafa de vinho caríssimo. Ele, desesperado, pede o prato mais barato, sem negar o que sua esposinha pede. Quando a comida chega, ele se revolta, pois é um prato minúsculo, com uns molhos de outras cores e umas folhas jogadas em cima. O gosto é horrível. Ela, por sua vez, tira muitas fotos e posta nas redes sociais para fazer inveja às amigas. Ele, volta ao modo automático, come, bebe, conversa e paga a conta. Ao chegarem em casa, ela apenas deita e dorme. Não tem obrigação de transar com ele e não está nem aí para isso.

-Diabo, a gente precisa trocar de móveis, estão velhos e ultrapassados, diz a mulher. -Como assim, compramos faz 3 anos só. -Não venha com reclamação, a gente precisa de coisas novas, para que guardar dinheiro? Saiba que eu não sou mulher de migalhas! -Diabo apenas concorda e oferece o seu cartão de crédito para que ela parcele tudo em 12 vezes. -Diabo, você não acha que temos que trocar de casa? A Joana está morando no baixo Classe A e o aluguel é só R$2.500,00. Pense no conforto! Ele sente um aperto no coração, mas mesmo assim não a questiona, apenas obedece.

-Diabo, preciso trocar de carro, o meu já está com 2 anos de uso. Preciso de ar condicionado dual zone, teto solar, banco de couro, direção elétrica e tudo mais. Está muito desconfortável andar nesse Honda Fit zero que você me deu. O pobre coitado, sem falar uma palavra, pega seu celular e começa a pesquisar carros novos para dar ao amor da sua vida. -E você não me venha dar carro usado ou aquele carro barato de R$50.000,00 que você queria me dar! Diz a senhora, esbravejando.

-Diabo, minha mãe está doente. Vai levar ela no hospital. E lá vai ele correndo servir sua esposa. Leva e traz a velha chata ao hospital e depois passa na farmácia comprar os remédios. -O que? R$1.000,00 reais em remédio para hipertensão??? Reclama ele. -Sim, senhor, e sses são genéricos ainda, senão daria mais de R$3.000,00. Sem saída, ele compra tudo e tenta segurar a raiva, afinal, nada adianta se revoltar.

Pobre-diabo está deitado e começa a olhar suas esposa se trocar. Que diferença em seu corpo em relação àquela mulher que outrora tinha um corpo minimamente atraente. Hoje, ele vê um corpo repleto de gordura localizada, flacidez, celulite e estria. Só de se mexer um pouco, tudo balança naquele corpo. Mesmo assim, como ele não come ninguém, sente uma mínima atração ali, o que não adianta nada, pois o sexo e calculado e dado em migalhas. -O que você está olhando? que que eu fique gostosa, então me pague cirurgia plástica, uma lipo e um silicone iriam bem. Ele como é um ser domado, paga as cirurgias para ela e torra todo o dinheiro que guardou com muito suor.

Tempo depois, Pobre-diabo começa a notar coisas diferentes em sua esposa. Ela está se arrumando mais, não para de mexer no celular, demora para chegar do trabalho e direto faz hora extra. Pensa ele, já respondendo em seguida: -Será que ela está me traindo?  Não, ela é a mãe dos meus filhos; pode ser chata, mas vagabunda ela não é, sem contar que faço tudo para ela. O cérebro de Diabo, automaticamente, autosabota-se para que não pense que sua mulher o esteja traindo, mesmo ele sabendo que isso possa estar acontecendo. Ora, ela tem estado diferente, não o procura mais, não conversa mais, mantém distancia, como se tivesse nojo e não transa já faz 6 meses. Certo dia, Diabo, está deitado no sofá e sua esposa esquece o celular ao seu lado. Ela está no banho. Ele, como é um beta esperto em observar coisas e em tecnologia, logo desbloqueia o celular dela. Ao abrir suas mensagens e ler, seu coração dispara. Realmente ela tem um amante. As mensagens deixam o homem com uma mistura de raiva e tristeza. "Oi minha gostosa, estou louco para te comer", diz o Big Ricardo na mensagem. Ela, por sua vez, respondeu: "Safadinho, vou sentar bem gostoso em você e tomar todo o seu leitinho". Diabo fica horrorizado. Além de ela não transar, beija sua boca com resquícios de esperma de outro macho. Deprimente. Ele, sem forças para lutar, engole o choro, deita no sofá e tenta dormir.

Pobre-diabo larga sua esposa? Não, pois ele tem medo de que fique sozinho e não arrume outra. E o pior ainda, seu cérebro o sabota novamente e o faz querer acreditar que a culpa foi sua, por não ter a agradado mais. O que Diabo faz? Passa a gastar o triplo para agradar sua esposa, sempre fingindo que não sabe da existência de Big Ricardo. Aliás, PD sempre pesquisa o perfil nas redes sociais desse cara e senta raiva e inveja ao mesmo tempo, pois ele é um coroa alfa e com mais dinheiro. Diabo, tenta sempre dar mais e mais para sua esposa, a fim de compensar sua inferioridade.

-Diabo, tenho me sentido diferente ultimamente. O problema não é você, sou eu. Preciso de um tempo para pensar, pois acho que não gosto mais de você. -Por que, meu amor? Não sou mais bom o bastante para você? O que você precisa, dou tudo o que você quiser, diz ele chorando desesperado. -Estou saindo de casa, preciso pensar, diabinho. Saiba que te amei muito e nunca irei te esquecer, tchau. Diabo apenas chora, chora e chora. Entra em desespero e até pensa em suicídio. Ainda, na tentativa de a reconquistar, comprou presentes caros, joias, mandou buquês, ligou infinitas vezes, porém tudo em vão, pois ela já está nos braços de outro macho. Diabo começa a ter tormentos terríveis em sua mente, imaginando ela transando loucamente com Big Ricardo, chupando muito seu pau, sentando com força em sua pica, enquanto ele a enche de tapas e puxa forte seus cabelos. Imagina a cena de ele segurando o seu pinto (que deve ser o dobro do pinto do Diabo), e jorrando jatos de porra na cara de sua ex-esposa. Diabo chora muito, como criança. -O que eu fiz para merecer isso, Deus? Pergunta ele em prantos.

Não bastando todo o dinheiro que Pobre-diabo gastou enquanto casado, o sofrimento que vem passando, os tormentos em sua mente, a solidão, a saudade dos filhos etc, chega uma notificação judicial em sua residência. Ao se informar sobre aquilo, ele tem um susto: sua ex-mulher, o grande amor de sua vida, pede judicialmente sua casa e parte de todos os seus bens. Diabo, como não se preparou para isso, perde metade de tudo o que tem, juntamente com sua dignidade. Ela alega que sempre fez tudo por ele e que perdeu toda a sua juventude servindo ao seu marido. Que mentira! Ele deu tudo o que tinha, até a sua vida para esta vagabunda safada! Enfim, sua vida acabou. Pobre-diabo não vive mais, apenas sobrevive. Perdeu tudo o que tinha, inclusive a sua vontade de viver. E sua ex-mulher? Ela vive na maior felicidade, desfrutando de tudo que o pobre coitado deixou para ela e tudo o que Big Ricardo tem a oferecer, postando fotos humilhantes nas redes sociais com seu novo macho, enquanto Diabo vê tudo isso e apenas chora. Seus amigos e familiares riem de tudo isso; ele é a chacota de todos.

Depois de vários meses de amargura, Pobre-diabo recebe uma ligação: era sua ex-esposa chorando, dizendo que acabou seu relacionamento. Diabo não se contém de felicidade e marca de jantarem em um restaurante super caro, a fim de ouvir o que ela tinha a lhe contar e fazer uma moral com ela. A hora passa, eles conversam, jantam, até que ela diz: -Diabinho, ainda te amo, preciso de você. -Eu ainda te amo e sempre irei te amar, você é o amor da minha vida, diz Diabo com lágrimas nos olhos. O casal, reconcilia-se, eles se beijam e retomam o relacionamento. Na mesma noite, transam loucamente, sendo essa a arma da mulher para reconquistar o trouxa do Diabo, sabendo ela que futuramente poderá negar sexo exatamente como fazia antes, ganhando tudo o que quiser, pois ele é seu escravo. 

Como está a vida do Diabo hoje, depois de alguns meses que retomou o relacionamento com sua esposa? Volte ao primeiro parágrafo e leia tudo novamente, pois a história continua a mesma e sempre repete. Pobre-diabo nasceu para ser um escravo e sofrer.

FIM.


Abraço do Pobre-diabo


Obs.:
- a história é uma fantasia, obviamente eu jamais faria tudo o que o otário do texto fez. Apenas narrei a vida de milhares de betas A, B, C e D, presos na matrix, vivendo uma vida de total manginisse.
- atrasei o antepenúltimo post por falta de tempo; o penúltimo porque eu quis deixar um tempo a mais para o pessoal debater, visto o atraso do anterior.
- Alguns betas sugeriram a criação de fórum e imageboard. Manifestem-se quanto a isso para eu decidir se estabeleço como fórum oficial do blog.